Arquivo da categoria: Informática em Educação

Palestra: Pandorga GNU/Linux


Pandorga GNU/Linux é Tricampeão do Prêmio Ação Coletiva


Ontem (25/10) aconteceu em Brasília no centro de convenções Brasil 21 a abertura do 2.º Encontro Nacional de Tecnologia da Informação, evento realizado pelo Ministério do Planejamento, o Ministério das Cidades, a Secretaria de Relações Institucionais e a Telebrás e com o apoio do Portal do Software Público Brasileiro.

Este evento tem importância singular no cenário tecnologico brasileiro pois concentro em si outros eventos como:

– II Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios
– II Encontro Nacional de Qualidade de Software
– I Encontro de Governança em Tecnologia da Informação
– I Encontro Nacional de Dados Abertos
– Pré-Conferência Nacional de Governo Eletrônico

Durante a abertura do encontro também aconteceu a entrega do 5.º Prêmio Ação Coletiva, que tem como objetivo  reconhecer a participação da comunidade do Portal de Software Público Brasileiro na colaboração voluntária no desenvolvimento e aprimoramento dos softwares dentro do ambiente do Portal.

Este ano a distribuição Pandorga GNU/Linux  recebeu pela 3.ª vez o Prêmio Ação Coletiva e para minha felicidade o ganhador é este que vos escreve. Sinto-me honrado com a indicação e também com os votos de toda comunidade que me fizeram ganhar o prêmio.

O trabalho de desenvolver, manter e divulgar o Software Livre nem sempre é fácil e muitas vezes não tem o reconhecimento devido. A tarefa torna-se ainda mais difícil quando se trata de um Software Livre voltado a Educação, que em nosso país ainda é tratada com descaso e falta de investimentos.

Convencer professores de que a informática quando bem utilizada pode ser uma parceira muito forte no processo de ensino-aprendizagem, e que para que isso  ela deve ser livre, é uma tarefa complicada. Este professor que muitas vezes cumpre longas jornadas de trabalho mal remunerado, ainda não consegue enxergar nas TIC´s (Tecnologias da Informação e Comunicação) uma aliada no ofício de educar.

São comunidades como a do Pandorga GNU/Linux e SLEducacional, que agregam pessoas da TI e da Educação, que tornam esta tarefa mais eficiente e eficaz, mostrando aos professores o grande potencial pedagógico dos Softwares Livres Educacionais. E o fato do Pandorga ter sido novamente agraciado com o prêmio, é a prova disso.

Fiquei extremamente lisonjeado por ter sido o indicado deste ano e gostaria de usar este espaço para agradecer algumas pessoas.

Em primeiro lugar quero agradecer ao Rainer Kruger e sua esposa Francine pela indicação e pela simpatia e carinho com que me trataram ontem durante todo o dia em que estive com eles no evento. Fiquei muito feliz e conhece-los pessoalmente e dividir com eles a alegria do reconhecimento da comunidade.

Quero agradecer também a todos os amigos e amigas do movimento Software Livre em Goiás, que me proporcionaram a oportunidade de divulgar o Pandorga GNU/Linux  e o também o projeto SLEducacional.

Também quero fazer um agradecimento especial a minha família com a qual as vezes falto com a minha presença, por estar fora em eventos e trabalhos de divulgação do Software Livre e Educação.

Espero sinceramente que este prêmio sirva como exemplo a todos aqueles que acreditam em um ideal. Não desanimem pois uma hora ou outra seu trabalho será reconhecido.

Obrigado a todos pelo apoio e vamos continuar lutando por uma Educação melhor e livre para todos os brasileiros.

5.º Prêmio Ação Coletiva


O prêmio Ação Coletiva é organizado pela Associação de Tecnologias Abertas e patrocinado pela empresa INTEL.

Este ano fui indicado para receber o prêmio pela minha colaboração com a comunidade Pandorga GNU/Linux. O Pandorga é um sistema operacional para computadores especialmente voltado para a educação básica e conta com vários programas e jogos educacionais.

Venho colaborando com a comunidade desde 2008, divulgando o Pandorga no estado de Goiás. Segue abaixo as fotos de alguns eventos dos quais participei divulgando o Pandorga GNU/Linux entre professores e comunidade em geral.

Quem quiser conhecer e também colaborar com a comunidade Pandorga GNU/Linux pode obter informações no site oficial e na página da comunidade no SPB (Software Publico Brasileiro)

Para escolher o ganhador do prêmio Ação Coletiva acesse o endereço abaixo

http://www.softwarepublico.gov.br/avaliacao/respond?survey_id=41527828

 

Licenciatura em informática, para quê(m)?


O ano era 2003 e eu procurava na internet opções de cursos de graduação na área de informática que podiam atender minhas expectativas profissionais e pessoais. Então me deparei com o curso de Licenciatura em Informática que na época era oferecido em Goiás pela UEG nas unidades de Silvânia, Sanclerlândia e Posse. Transcrevo abaixo informações sobre o curso disponíveis no site da Universidade Estadual de Goiás.

“Visa uma formação sólida e abrangente de educadores, na área de informática, enfatizando os aspectos científicos e técnicos, bem como pedagógicos e sociais.

O profissional licenciado em informática é um educador, capacitado para o ensino de informática no Ensino Fundamental, assim como no Ensino Médio e profissionalizante. Detém uma formação favorecida pela utilização da informática educativa. É um profissional com sólida e ampla qualificação científica e pedagógica capacitado a acompanhar a evolução das novas tecnologias na área de informática educacional.”

Ao ler estas informações fiquei muito interessado em fazer o processo seletivo e ingressar neste curso. Fiz a inscrição para o vestibular e escolhi a cidade de Silvânia para fazer o curso, apesar de ficar a 70 quilômetros de Anápolis.

Minha identificação com o curso me motivou a fazer a prova, mesmo sabendo das possíveis dificuldades que poderiam aparecer. Prestei o vestibular e fui aprovado, foi a primeira vez que tentei e minha alegria foi proporcional a minha preocupação com o futuro que me aguardava. Na época eu já era casado, com dois filhos e várias responsabilidades. Nada disso me fez desistir da ideia de ser um professor de informática. Fiz minha matrícula e iniciei o curso em 2004.

Infelizmente um ano depois, várias dificuldades com transporte e problemas para acompanhar as aulas me fizeram mudar de curso e também de faculdade. Entrei no curso de Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas que concluí em 2007.

Hoje sou professor substituto de informática no IFG e também na faculdade Anhanguera, de certa forma eu consegui atingir meu objetivo e estou feliz com isso. Mas nos últimos dias uma grande preocupação tem atraído minha atenção novamente para o curso de Licenciatura em Informática. Depois de navegar em alguns sites na internet, notei que haviam vários cursos nesta área, inclusive em modalidade EaD. Procurei então pesquisar mais sobre o assunto e cheguei até o site do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e fiz o download de um arquivo contendo informações acerca da educação superior no Brasil.

Meu foco foram os números relacionados à Formação de Professores de Computação (Informática) e os reuní na relação abaixo:

Cursos presenciais oferecidos: 58

N.º de vagas oferecidas em cursos presenciais: 3.379

Matrículas em cursos presenciais: 4.402

Concluintes de cursos presenciais: 597

Cursos EaD oferecidos: 3

N.º de vagas oferecidas em cursos EaD: 810

Matrículas em cursos EaD: 1.044

Concluintes de cursos EaD: 39

Estas informações são relativas ao ano de 2009 e mostram que existem no Brasil vários cursos de formação de professores em informática que oferecem milhares de vagas. Se juntarmos o número de concluintes dos cursos presenciais e EaD teremos 636 professores de informática no mercado de trabalho.

Minha dúvida é se estes profissionais estão sendo absorvidos pelas escolas em geral, por isso resolvi escrever este texto e levantar uma discussão acerca da inserção da disciplina de informática no ensino regular e os cursos de Licenciatura em Informática e Computação.

No texto que transcrevi anteriormente está escrito “O profissional licenciado em informática é um educador, capacitado para o ensino de informática no Ensino Fundamental, assim como no Ensino Médio e profissionalizante”, mas quando trabalhei em um centro de educação profissional em 2008, havia apenas uma professora com o curso de Licenciatura em Informática, que por sinal foi minha colega na graduação. O restante de nós eram todos bacharéis, tecnólogos e até técnicos. No instituto federal onde trabalho a realidade é a mesma, hoje não existe nenhum professor de informática que possua o curso de licenciatura nesta área.

Esta questão para min ainda está em aberto e continuarei a procurar respostas pois acredito que se existem cursos de graduação que visam a formação de professores de informática é por que existem vagas a serem preenchidas, pelo menos é isso que espero.

Um laptop por aluno – Piraí – RJ


Mais uma vez tomei a liberdade de publicar aqui no blog uma matéria da revista A Rede. Este mês a revista trouxe uma matéria falando sobre o projeto de implantação do laptop educacional Classmate nas escolas públicas da cidade de Piraí no RJ. A matéria esta disponivel para leitura no site da revista.

Oxygen


Esta dica foi enviada pelo Rainer, criador do Pandorga Linux. O vídeo é um curta metragem criado por Christopher Hendryx e traz como personagem principal o elemento químico Oxigênio. O vídeo é muito didático e vale a pena conferir.

O uso de blog´s na educação


Os chamados edublogs atingiram um status de ferramenta pedagógica. A revista A Rede trouxe uma matéria muito interessante sobre o assunto em sua edição de abril deste ano. Eu mesmo criei um blog para interagir com meus alunos além do espaço físico da sala de aula. Muitas vezes o tempo que é destinado a aula é pouco para transmitir tudo aquilo que gostaria, então a aula continua no blog.

A sala de aula reinventada

Blog do professor Wendell